Sunday, August 31, 2008

mentira




"Levanto-me e caminho até ao limite do terraço. É noite de Lua cheia. Só consigo ver o parapeito. Não preciso de mais. Poderia descrever até ao último pormenor desta vista com os olhos fechados. Há um pinheiro à minha frente, apenas três metros para lá do parapeito. Tem mais de cem anos, quem sabe se duzentos. Cresceu quase horizontal, debruçado sobre a vertigem da arriba, como se o mar o enfeitiçasse às lambidelas. Em crianças, trepávamos lá de baixo, da banheira da russa, agarrando-nos às raízes grossas e robustas deste mesmo pinheiro, que tecem uma nervura na crosta da terra. Parecia-me incrível que a raíz de uma árvore fosse tão profunda, muito mais comprida que o tronco. Como a das mentiras. Isso não o pensava então: digo-o agora."

Henrique de Hériz, em "Mentira"

Há muito tempo que não lia um livro de que gostasse tanto!

1 comment:

Cláudia said...

PARABÊNS
E acho que fiquei com vontade de ler o livro.
Beijinhos
Cláudia